sexta-feira, 29 de junho de 2012

EB1 de Alcanena - 2º ano, turmas C e D: entrega de diplomas aos "Heróis da Fruta"

Conforme foi divulgado, de 3 de janeiro a 10 de fevereiro os alunos do 2º ano, turmas C e D, da EB1 de Alcanena, participaram no projeto “Heróis da Fruta”. Esta iniciativa, teve como objetivo incentivar as crianças até aos 10 anos a consumirem mais fruta diariamente.
No âmbito deste projeto foram dinamizadas diversas atividades, para além de terem sido inventadas letras para o “Hino da Fruta” e enviados vídeos criativos de cada turma com os alunos a cantar.
Dado o grande envolvimento dos alunos, professoras e encarregados de educação, foi com imensa alegria que as turmas envolvidas no projeto receberam, no dia 14 de junho, os seus diplomas de participação.

PARABÉNS às turmas pela dinâmica desenvolvida!

As coordenadoras do
Pré-Escolar e 1º Ciclo
video
Vídeo enviado pela professoras Conceição Marrafa e Clarisse Paulino

terça-feira, 19 de junho de 2012

EB1 de Moitas Venda: "O Capuchinho Vermelho e o lobo disfuncional"

Esta pequena história, trabalhada pela professora da turma do 1º e 2º anos da EB1 de Moitas Venda, foi adaptada do original – Capuchinho Vermelho e o lobo disfuncional – da autoria do professor José Teixeira.

Um dia o Capuchinho Vermelho saiu de casa para visitar a sua avozinha que estava doente. A mãe disse-lhe para ir pela estrada mas ela não respeitou a mãe e resolveu ir pelo bosque.

Lá, encontrou um lobo. Os dois começaram a conversar.

Ele disse-lhe que tinha os seus filhotes escondidos na toca ali perto.


A menina disse-lhe que tinha sede. Mas a água corria na serra e ela não conseguia lá chegar. Então o lobo disse-lhe para ela subir para as suas cavalitas e levou-a a beber água. E lá foram eles…No fim da menina beber água, ao descer, correu mal e o lobo escorregou numa pedra e caiu ferido na pata direita traseira. A menina começou a chorar e abraçou o lobo.
Um caçador que estava ali perto viu e pensou que o lobo lhe estava a fazer mal e disparou dois tiros.
O Capuchinho ficou muito triste e começou a chorar. Ao ver o lobo caído no chão e morto, deu-lhe o último abraço.

Chegou lá o caçador e o Capuchinho conversou com ele e disse-lhe que aquele lobo era bom.
O Capuchinho Vermelho que sabia onde o lobo tinha os filhos, entrou na toca e meteu os lobos bebés dentro da cesta e levou-os para casa da sua avozinha.



Trabalho realizado pelos alunos do 2º ano/Turma: A
EB1 de Moitas Venda

"Capuchinho Vermelho e o lobo disfuncional"

Esta história foi recriada a partir do conto tradicional "O Capuchinho Vermelho" e trata-se de um trabalho que integra a formação de “Cidadania Universal”, realizada na Escola Secundária de Alcanena.

Texto Teatral

1-    tema:

·    Pretende-se com esta temática, das acessibilidades mobilidade e diversidade extensível ao mundo animal, combinar as consciências cívica e ecológica, reunindo-se assim um verdadeiro sentido humanista e universal
     
        2 – Ideia:

·    (O capuchinho vermelho e o lobo disfuncional) construída e recriada a partir da história do capuchinho vermelho
 
      3 – Story-line:

·    História banal de criança que sai de casa, com intenção de levar um recado à sua avó, todavia no trajeto passa pela floresta, tem um encontro inesperado com um animal, do qual faz nascer uma nova perceção sobre a vida e os valores ambientais, que provocam na protagonista um salto qualitativo na sua maturidade e autonomia pessoal.

      4- Sinopse: História do Capuchinho Vermelho e do Lobo Disfuncional

O Capuchinho Vermelho habitava na linha de fronteira, entre uma cidade e um arvoredo. Vivia e convivia com ambos. Todavia era no bosque que se sentia em casa. Adorava visitar sua avó, muito pelo prazer de atravessar as matas. Respirar seus aromas, apreciar suas cores.
  
Na hora da despedida, sua mãe nunca se esquecia das últimas recomendações:
- Não te esqueças de levar os comprimidos para a garganta, e não saias do trilho sinalizado, a floresta tem alguns perigos, que podem trazer surpresas desagradáveis.
- Ora ora, minha mãe eu já sou crescidinha, sei muito bem orientar-me. Perigos tem a cidade. Na floresta não há stress, nem poluição.
- Oxalá tudo te corra bem.

No seu passo seguro e decidido, já se tinha ocultado pela vegetação adentro, quando ouviu uns passos desordenados atrás de si. Voltou-se para todos os lados e não via ninguém, até que ouviu uma voz rouca e constipada que sussurrava:

- Olá capuchinho vermelho.
- Olá, mas quem és tu?
- Sou um lobo, não se vê logo pelo meu perfil ?
- Adeus, estou com pressa, não falo para estranhos.
- Porquê?
- Ora, porque posso ter surpresas desagradáveis.
- Mas eu não sou desagradável, nem estranho. Moro por aqui há mais de dez anos!
- Mas eu não te conheço, tenho  pressa e estou cheia de sede.
- Bem, se já nos falámos… já nos conhecemos, e se quiseres, mostro-te a minha fonte onde poderás beber água cristalina.
- Só se não for muito longe…
  
Com algumas reservas o capuchinho acabou por aceitar, mas sempre duvidosa do convite do seu mais recente “amigo”.

Quando lá chegaram o capuchinho ficou desalentado, porque era preciso escalar uma rocha muito alta e escarpada, para se abeirar da água que germinava da encosta. Não tinha acesso, só se voasse. Então o lobo percebendo aquela falta de habilidade logo lhe sugeriu:

- Salta para o meu dorso, e deixa-me resolver este problema.

E ela assim fez. Bebeu e ficou saciada. Na descida o lobo escorregou na humidade da pedraria, bateu com o costado num socalco de granito, ficando ferido e esfolado.
- Ficaste maltratado? – Perguntou ela, preocupada.
- É a minha pata traseira, do lado direito. Estou lesionado desde o verão passado, quando assaltei a capoeira do senhor Silva. Não tem acessos nem condições. Não há rampas, nem corrimões para nós, nem poleiros para os galináceos.
- Parece-me que há falta de acessibilidades em toda a parte – Interrompeu o capuchinho -- No jardim aonde vou brincar, se quero beber água tenho que pedir a alguém que me levante, porque o bebedouro é de tal forma alto, que nem a saltar lhe chego.
- E não existem outros sítios para brincares?
- Nem sempre. Junto à casa de uma amiga havia um passeio largo, onde jogávamos à macaca. Na última semana lembraram-se de fazer obras no edifício da frente, e já não é permitido.
- E não há mais passeios?
- Haver há, mas tem sempre carros estacionados.
- E no parque infantil ?
- Está encerrado. A Autarquia foi obrigada a despedir o funcionário vigilante.

Muito centralizada nas suas atividades, o capuchinho vermelho, nem reparava nos ferimentos que o seu amigo ocasional tinha contraído. Até que ao ver o sangue, continuou:

- Mas tu estás a sangrar, e por causa de mim. Afinal estou eu para aqui a contar alguns problemas de cidadania e aqui na floresta, em contacto com a natureza, as coisas também não vão bem. Pensei que a qualidade de vida, fosse melhor por estas paragens.
- Enganas-te minha amiga. Faz muito tempo que tenho esta gripe. E quando alguém adoece, não temos direito a veterinário de família. Por aqui, há grandes problemas de “florestania”.
- Lá na cidade, ouvimos dizer que o lobo é um predador, passa vida a matar.
- Pois é, mas matar para sobreviver é o meu destino. Quem é que de boa fé me pode condenar por isso? Tomara eu, uma mini dose de qualquer coisa…e vocês…?! Não matam vacas, porcos, galinhas, patos, perus…a fome é igual para todos. Não sei quem é mais predador?!
- Pois, lá isso é verdade. E a tua família onde mora?
- A minha família está muito reduzida. O tempo das alcateias terminou.
- Porquê?
- O meu irmão morreu ainda jovem, a saltar de uma árvore. Meu pai morreu num incêndio. Minha mãe nem a conheci. Minha esposa faleceu, capturada numa armadilha. Os meus tios foram mortos por caçadores, que colecionam  peles e troféus. Somos perseguidos e mortos, sem qualquer piedade. Quer dizer, estamos em perigo de extinção.
- Mas não havia uma Associação para proteger os direitos dos animais do bosque?
- Havia, mas também se extinguiu tal como o Ministério do Ambiente.

Muito confundida e angustiada com a situação ambiental do lobo, o capuchinho, nem deu pelas horas a passar. De repente lembrou-se:
- Olha amigo, não tenho grande ajuda para te oferecer, mas se quiseres, podes comer uns doces que aqui levava para a minha avó.

O lobo comovido e grato pelo presente, disse:

- Obrigado capuchinho, muito te agradeço, são para os meus dois filhotes esfomeados, que estão mesmo aqui por baixo, escondidos numa toca.

Preparando-se para transportar o cesto com os dentes, o lobo estava a ser observado por um guarda florestal, que ao avistá-lo de longe, tão próximo do capuchinho, fez um mau juízo daquele cenário, julgando tratar-se de um assalto à lancheira, e antes que o lobo pudesse atacar também a criança, desferiu duas balas certeiras que deitaram o animal por terra e sem vida. O capuchinho, apavorado com tudo o que estava a acontecer, nem queria acreditar, abraçando num último adeus, o amigo que lhe tinha dado de beber.

Entretanto o guarda, alheio àquele envolvimento, chegando a correr, exprimiu a sua satisfação:

- Pronto, este já não faz mal a mais ninguém. Oh, capuchinho estás bem ?
- Claro que estou bem sr. Guarda, você é que não esteve nada bem.

- Como assim…?
- Bem que me avisou minha mãe, que podia encontrar surpresas desagradáveis!.—retorquiu o capuchinho, deixando o seu “salvador” incrédulo, com tamanha falta de gratidão.
- Mas eu salvei-lhe a vida. A minha missão é proteger a comunidade de animais predadores.
- Será que me ouviu gritar por socorro?
- Não, isso não ouvi.
- Será que eu tenho algum arranhão ou mordidela?
- Bem, não sei…!
- Desde quando um animal que apenas procura matar a fome aos seus filhotes, é considerado predador?
- A menina é muito rebelde. Fique sabendo que eu sou muito competente. Tirei a minha Formação com muito bons resultados.
- Falta-lhe um curso de florestania, sr. Guarda.
- Um curso de quê?
- E já agora sr. Guarda, agarre na sua arma e dê-lhe o acesso mais adequado que é o lixo. E depois vá caçar gambozinos, se não estiverem também em vias de extinção.
- Gambozinos, não sei o que é. O meu trabalho é capturar lobos. E estou a ouvir alguns latidos.

Eram os lobitos órfãos que alheios ao drama, chamavam pelos pais. O capuchinho apercebendo-se que a presença do guarda podia ser uma ameaça, sugeriu-lhe.

- Olhe senhor matador, porque não sobe até ao alto daquela fonte, para observar melhor a mata?
- Talvez tenha razão. Espere aqui que eu já venho.
E enquanto o guarda distraído subia pela encosta, o capuchinho dirigiu-se à toca, agarrou com cuidado maternal os filhotes de lobo, colocou-os dentro do seu cesto e muito resoluta iniciou uma fuga, que só terminou quando se abeirou da casa de sua avó.
Quando lá chegou, a anciã estava muito preocupada com a demora de sua neta:
- Capuchinho, estive à tua espera toda a tarde. O que trazes aí, e porque vens tão triste?
- São dois lobos bebés, minha avó.
- E para que queres tu dois bichos selvagens?
- Lembras-te minha avó, daquelas fábulas que às vezes me contas, e que eu tanto gosto!
- Sim, claro que lembro.
- Pois desta vez, sou eu que tenho uma história de cidadania e “florestania” para te contar. Olá se tenho…!

Prof. José Teixeira
(Docente do Grupo de Educação Especial)

EB1 de Alcanena: visita de estudo à Moagem de Cereais Pitorro

Os alunos do 3º ano de escolaridade da EB1 de Alcanena, no dia 2 de maio de 2012 realizaram uma visita de estudo ao Pitorro - Moagem de Cereais, S.A.
A moagem fica situada no Mouseiro, freguesia da Louriceira, concelho de Alcanena e distrito de Santarém.
A atividade desenvolvida na empresa é considerada uma indústria transformadora, pois faz a moagem de diferentes tipos de cereais.
A transformação dos cereais começou há muitos anos. Esta indústria utilizava como matéria-prima os grãos de trigo, centeio, milho e cevada em farinha através de mós movidas a água.
Este processo artesanal demorava muito tempo. Como tal, ao longo dos anos, a moagem foi evoluindo, adaptando-se às exigências do mercado e às mudanças constantes do mundo atual.
Uma maior tecnologia, capacidade de produção, qualidade nos produtos e nos serviços tornaram esta moagem mais competitiva e produtiva.
Na fábrica havia muitas máquinas: a moer, a peneirar, a empacotar, a embalar e outras a transportar.
Depois de bem moída, a farinha é testada em laboratório para se apurar melhor a sua qualidade e ser colocada à disposição dos consumidores nos estabelecimentos comerciais.
Foi uma visita muito interessante porque todos os alunos aprenderam como se pode transformar os grãos dos cereais em farinha.
O convívio entre as pessoas que participaram na visita foi muito agradável e divertido.
 
                                E.B.1 de Alcanena                                                       
                                                                                   Alunos das turmas E, F e G, do 3º ano

                                                     



EB1 de Alcanena: visita de estudo à fábrica de curtumes "Marsipel 3"

            No dia 7 de fevereiro de 2012 os alunos do quarto ano (turmas H e I) da escola EB1 de Alcanena deslocaram-se à fábrica de curtumes “Marsipel 3 “, no autocarro da Câmara Municipal.
            Quem nos recebeu foi o Eng.º João Paulo. Era ele que nos ia guiar durante toda a nossa visita.
            Começámos por ver algumas peles ainda com sal mas, próximas de uma máquina que servia para lhes eliminar esse mesmo sal. Depois, as peles passavam pelo “flon” para lhes abrir os poros e retirar os pelos e ainda, pela máquina de escorrer. Depois vão para outra máquina que lhes extrai alguma gordura que ainda se encontre na pele do animal. Nessa mesma máquina são colocados químicos, entre eles, o crómio, que dá a cor azul à pele e, que chamamos de “at blue”.
            De seguida a pele vai secar e é nesta fase que é escolhida e separada por defeitos. A partir daí é feita a “desgarra” da pele, ou seja, aparar as pontas defeituosas.
            A pele passa para a fase onde a voltam a molhar, colocando-a depois na prensa, para esticar e eliminar algumas imperfeições.
            Também vimos uns senhores que estavam a pregar a pele para que ela ficasse bem esticada.

Passámos à fase do tingimento, que é dar cor à pele. Esta é a parte mais delicada pois é preciso dar a cor certa.
A pele ao fim deste percurso fica quase pronta mas, se o cliente quiser poderá ainda passar pela máquina de plastificar e o seu aspeto final já é outro.
Por fim fomos ao setor da expedição. Aí, a pele é medida numa máquina própria, que mede em pés se a pele for utilizada para o fabrico de calçado. Mas, se for para estofos é vendida ao metro quadrado.
O engenheiro João disse-nos que as peles mais utilizadas na fábrica são de gado bovino, cavalar ou búfalo.
Para além da “Marsipel 3” existem ainda mais quatro fábricas com o mesmo nome em Alcanena, uma em Felgueiras, outra em Paços de Ferreira, Oliveira de Azeméis e duas em Espanha.
A “Marsipel” exporta para o Brasil, França, Polónia e Marrocos. Porém, importa peles em “at blue” do Brasil”.
Todos nós adorámos a visita a esta fábrica pois estava integrada no projeto da nossa turma “Conhecermos a indústria mais influente da nossa localidade”.

EB1 de Alcanena
Os alunos das turmas H e I do 4.º ano

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Dia Mundial da Criança

  • Em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres propôs às Nações Unidas que se criasse um dia dedicado às crianças de todo o mundo.
  • Este dia foi comemorado pela primeira vez logo a 1 de Junho desse ano!
  • Com a criação deste dia, os estados-membros das Nações Unidas, reconheceram às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:
    - afecto, amor e compreensão;
    - alimentação adequada;
    - cuidados médicos;
    - educação gratuita;
    - protecção contra todas as formas de exploração;
    - crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.
  • Mas só nove anos depois, em 1959 é que estes direitos das crianças passaram para o papel.
  • A 20 de Novembro desse ano, várias dezenas de países que fazem parte da ONU aprovaram a "Declaração dos Direitos da Criança".
    Trata-se de uma lista de 10 princípios que, se forem cumpridos em todo o lado, podem fazer com que todas crianças do mundo tenham uma vida digna e feliz.
  • Esta declaração é tão importante que em 1990 se tornou lei internacional!
       IN http://junior.te.pt/servlets/Rua?P=Sabias&ID=201

quarta-feira, 30 de maio de 2012

JI de Serra de Santo António: Casamento da Lara e do Rafael


No dia 25 de Maio de 2012 realizou-se no Jardim de Infância de Serra de Sto António o Casamento da LARA (5 anos) e do RAFAEL (4 anos). Os noivos estavam vestidos a rigor, como verdadeiros PRINCÍPES, assim como os seus pais, padrinhos e restantes convidados. A  “senhora Conservadora” e respetivas acompanhantes, de chapéu tipo Rainha Isabel II de Inglaterra. Enfim, um cortejo nupcial de se lhe tirar o chapéu!!! O casamento teve lugar ao ar livre junto à igreja. Os convidados eram muitos e estavam eufóricos. Depois de dito o SIM, os Noivos trocaram as alianças e selaram a união com o respetivo beijinho. O banquete teve lugar no recinto do Jardim de Infância. Ali, abriram o baile dançando a valsa. Chegou a altura de partir o lindo Bolo de Noivos, e brindar com champanhe. Distribuíram o bolo pelos convidados e voltaram à dança. As fotos mostram a felicidade destas crianças que tiveram um dia deveras ESPECIAL!